terça-feira, 18 de abril de 2017

Análise: TOC Weekly Shonen Magazine #19 (Ano 2017).


Calmaria
escrito por Diego Felipe

Sendo franco, essa não é uma das edições mais marcantes da Weekly Shonen Magazine por ora. Mas é bom ver que enfim Senryuu Shoujo recebeu um pouco de destaque, pelo menos pra divulgação das vendas do primeiro volume. Bem, vamos direto à análise.

TOC Weekly Shonen Magazine #19 (2017):
Keyakizaka46 (Capa Física)
Senryuu Shoujo (Capa Digital, Página Colorida de Abertura) (capítulo 28)
01. Domestic na Kanojo (capítulo 137)
Rakuraku Shinwa (Pré-Rank, 41 pg.) (capítulo 02)
02. Baby Steps (capítulo 421)
03. DAYS (capítulo 195)
04. Fairy Tail (capítulo 530)
8-gatsu Outlaw (Página Colorida, 26 pg.) (capítulo 16)
05. Fuuka (capítulo 151)
06. Rankers High (Capítulo Duplo) (capítulos 10 e 11)
Tokyo Revengers (Pré-Rank) (capítulo 07)
07. En En no Shouboutai (capítulo 75)
08. Tsurezure Children (capítulo 137)
Tomodachi Game (Página Colorida, Capítulo Especial da Bessatsu Shonen Magazine, 34 pg.)
09. Nanatsu no Taizai (capítulo 213)
10. Hoshino、Me o Tsubutte。 (capítulo 50)
11. Ahiru no Sora (capítulo 554)
12. Real Account (capítulo 111)
13. Kindaichi Shounen no Jikenbo R (*)
14. Daiya no Ace - Act II (capítulo 75)
15. Hajime no Ippo (capítulo 1179)
16. Fumetsu no Anata e (capítulo 20)
HiGH&LOW g-sword (Ausente) (pausado no capítulo 03)
Seitokai Yakuindomo (Ausente) (pausado no capítulo 419)

LEGENDA
(*) - Numeração do capítulo não identificada

TOC Weekly Shonen Magazine #20 (2017):
- Capa Física, Capa Digital, Página Colorida: Fairy Tail
- Página Colorida de Abertura: Ohayou Survive, por Takeru Maehara (Novo Mangá, 51 pg.)
- Página Colorida: Hoshino、Me o Tsubutte。
- Capítulo Duplo: Tokyo Revengers
- One-shot: Araburu Kisetsu no Otome Domo yo。(Capítulo Especial da Bessatsu Shonen Magazine).
- Ausente: Hajime no Ippo
- Em hiato: Kindaichi Shounen no Jikenbo R

TOC Weekly Shonen Magazine #21・22 (2017):
- Capa Física, Capa Digital: Fairy Tail
- Em hiato: Kindaichi Shounen no Jikenbo R


A capa física da edição foi para o grupo de cantoras idols Keyakizaka46. Já a capa digital e as páginas coloridas de abertura foram para Senryuu Shoujo. Senryuu está ainda em busca de sua estabilização, o que ficará evidente com o lançamento do primeiro volume. Uma das páginas coloridas foi para um capítulo especial de Tomodachi Game, mangá publicado na mensal Bessatsu Shonen Magazine e que está recebendo um filme live-action que estreará nas telonas japonesas no dia 03 de junho. A outra foi para 8-gatsu Outlaw, mangá novato de beisebol que os editores estão tentando emplacar mas cujo primeiro volume vendeu mal.

O novato Tokyo Revengers só passará a ser ranqueado na próxima edição, quando seu oitavo capítulo enfim será lançado. Aliás não só o oitavo mas o nono também, já que Tokyo Revengers receberá como "regalia" dois capítulos publicados na mesma edição. Já Rakuraku Shinwa, outro novato, está apenas em seu segundo capítulo lançado e, obviamente, levará mais tempo para ser ranqueado na forma da análise ocidental das Table of Contents.

O mangá chibi HiGH&LOW g-sword não seria ranqueado se saísse capítulo nessa edição... mas o caso é que ele esteve ausente mesmo. Seitokai Yakuindomo também esteve ausente nessa edição. Mas tem uma boa notícia: saiu uma imagem promocional do filme anime que sai nos cinemas de julho. 

Após ter ganho as capas físicas e digitais na edição anterior, Domestic na Kanojo (ou DomeKano), que foi ranqueado em quarto lugar na edição passada, dá uma subidinha e fica logo com o primeiro lugar entre os ranqueados. DomeKano vende em média pelo menos 80 mil cópias por volume. Não chega a ser um nível fantástico de vendas, mas é o bastante para que a obra tenha apoio dos editores e o carinho de uma boa quantidade de leitores.

O segundo e o terceiro lugar ficaram para dois mangás de esporte, respectivamente: o veterano Baby Steps (de tênis) e DAYS (de futebol). Baby Steps já teve mais de quatrocentos capítulos publicados, completará dez anos de publicação e ainda apresenta um bom nível de vendas. Já DAYS, publicado há um pouco menos de tempo e está perto de completar 200 capítulos de publicação.

O quarto lugar é de Fairy Tail, cuja estreia de seu segundo filme animado nas telonas nipônicas está cada vez mais próxima. Recentemente foi lançado o terceiro trailer do filme, que pode ser conferido clicando nesse link. Mesmo com a queda nas vendas Fairy Tail ainda é um dos mangás com melhor rendimento da Weekly Shonen Magazine e, a julgar pela dificuldade da revista em emplacar novatos com alta rentabilidade, o fim de Fairy Tail e a necessidade de um novo hit de alto nível de vendas serão uma dor de cabeça para os editores.

Mais uma vez Fuuka pega uma posição alta na ordem de leitura e fica na quinta posição entre os mangás ranqueados. Essas aparições na parte de cima da ordem de leitura estão sendo comuns nas últimas edições. Apesar do fracasso do anime e das vendas do mangá não terem melhorado, parece que Fuuka não vai sentir tão cedo o peso de entrar para o limbo do esquecimento. É bem verdade que o autor Kouji Seo tem uma boa relação com os editores da Weekly Shonen Magazine e também que dificilmente Fuuka durará por um prazo muito longo na revista caso as vendas comecem cair.

Em sexto lugar está o novato Rankers High, que teve dois capítulos publicados nessa edição (os de número 10 e 11). Por enquanto o mangá só tem pegado posições boas ou relativamente boas tanto nos ranqueamentos quanto na ordem de leitura em si. Mas isso não significa que a obra está se estabilizando na revista, ainda mais em se tratando da Weekly Shonen Magazine, cujas posições na ordem de leitura são uma "caixinha de surpresas". Na verdade, as posições privilegiam uma distribuição de conteúdo entre as obras ao invés de colocar as obras mais populares em cima e as menos mais abaixo. O importante é que, embora ainda não tenha se firmado na revista, pelo menos Rankers High parece que tem boas chances de ao menos escapar de um vexatório cancelamento infame.

A sétima posição ficou para En En En no Shouboutai, que ainda permanece apresentando bons resultados para a Weekly Shonen Magazine. Não chega a ser um desempenho considero fenomenal, mas também está muito longe de ser apenas razoável: a obra vende em média pelo menos 125 mil cópias por volume, quantia muito boa para os padrões atuais da revista. Trata-se de uma das obras mais promissoras a serem exploradas comercialmente na line-up atual.

Na oitava colocação está o gag mangá Tsurezure Children, cujo anime estreará nas telinhas japonesas em julho. Esse anime trata-se de uma boa tentativa de dar mais destaque e relevância à obra no mercado, mas é válido frisar que o investimento em cima da adaptação não é dos mais elevados. O estúdio escolhido, por exemplo, é o Studio Gokumi, que não é dos mais badalados (pelo menos a meu ver). A vantagem é que não será uma produção de alto custo, então não há grandes riscos de um prejuízo de grandes proporções. E, novamente, Nanatsu no Taizai pega uma posição mediana na ordem de leitura, dessa vez uma nona posição. Nanatsu ainda é a obra que atualmente possui o melhor nível de vendas de volumes da revista e também uma das obras com melhor apelo comercial da editora Kodansha. Essa situação confortável deve ser mantida por um tempo ainda, talvez até mesmo até o fim natural da obra.

A obra que fecha o Top 10 dessa edição é Hoshino、Me o Tsubutte。 , que chega ao seu 50º capítulo publicado. O mangá conseguiu permanecer por um ano desde que foi lançado e sua boa recepção ajudou na manutenção do mangá, que é visto com bons olhos pelos editores. No entanto, é válido lembrar que Hoshino não apresenta um nível elevado de vendas, aliás, antes mesmo do fim de Acma:Game, Hoshino havia se tornado a obra estável com menor nível de vendas na Shonen Magazine. Felizmente os resultados desse mangá ainda são satisfatórios o suficiente para que se mantenha, no mínimo, por um período de longo prazo. Fora que Hoshino de vez em quando recebe destaque por parte dos editores, inclusive na próxima edição ganhará uma página colorida.

Na porta do bottom está o veterano mangá de basquete Ahiru no Sora, que pode até não estar mais no auge de seu nível de vendas mas tem um rendimento superior a muito novato promissor ou com potencial comercial já explorado. Aliás, a "TOC ranqueada" ficou tão vazia que Ahiru, décimo primeiro lugar, é o único entre o Top 10 e o bottom, algo que raramente acontece na Weekly Shonen Magazine, que geralmente tem pelo menos três mangás no meio de tabela dos ranqueados.

Quem abre o bottom nessa edição é Real Account, na décima segunda colocação. Real Account segue sem ganhar páginas coloridas há um tempão e sem receber maior destaque por parte dos editores da revista. Sinceramente, admito que estou estranhando um pouco ver Real Account de lado, visto que as vendas de seus volumes não estão diminuindo (ao menos, não notoriamente) e visto que obras com menor rendimento vem ganhando um pouco mais de destaque (é o caso de Hoshino、Me o Tsubutte。). Ainda assim, o mangá está em situação estável no plantel.

Mais uma vez no bottom, na décima terceira posição, está Kindaichi Shounen no Jikenbo R. Infelizmente essa edição vem com uma notícia que não é agradável: Kindaichi ficará em hiato entre as edições #20 e #30, só retornando na edição #31. Recentemente Kindaichi esteve num hiato entre as edições #41 e #52 de 2016. Mas já foi "antecipado": quando o mangá retornar um novo arco será iniciado, além da comemoração dos 25 anos da franquia e também de um anúncio importante que só será revelado mais para frente. Bem, o jeito é aguardar o retorno a longo prazo de Kindaichi. 

Outra vez o pilar Daiya no Ace - Act II apareceu no bottom, dessa vez na décima quarta colocação. Isso não necessariamente é um sinal de risco para a permanência da obra, mas não deixa de ser curioso ver Daiya ser alçado a posições baixas na ordem de leitura, visto que seu rendimento ainda é estável. Mas como explicado a situação do mangá de beisebol é muito positiva, com uma média de pelo menos 350 mil cópias vendidas por volume.

Num raro caso de posição baixíssima na ordem de leitura, Hajime no Ippo ficou com o décimo quinto lugar. O mangá de boxe realmente já não tem um rendimento tão elevado quanto no passado. Porém a média de vendas é de pelo menos 170 mil cópias, quantia mais que suficiente para manter esse veterano de 27 anos de publicação. Hajime não corre risco algum de ser cancelado, essa hipótese pode ser descartada. O mangá só será encerrado se essa for a vontade do autor George Morikawa.

Com a ausência de HiGH&LOW g-sword, quem fechou a revista nessa edição ficando com o décimo sexto lugar entre os ranqueados foi o novato Fumetsu no Anata e, que por ora só teve vinte capítulos lançados. O primeiro volume do mangá já vendeu pelo menos 85 mil cópias, uma boa quantidade para os padrões da Weekly Shonen Magazine. Apesar de pegar posições baixas ou medianas na ordem de leitura com relativa frequência a situação de Fumetsu é confortável e a autora pode conduzir a trama adiante tranquilamente.


SITUAÇÕES DOS MANGÁS

PilaresDaiya no Ace - Act II, Fairy Tail, Nanatsu no Taizai
Seguros e Estáveis: Ahiru no Sora, Baby Steps, DAYS, Domestic na Kanojo, Enen no Shouboutai, Fuuka, Fumetsu no Anata e, Hajime no Ippo, Kindaichi Shounen no Jikenbo R, Real Account, Seitokai Yakuindomo, Tsurezure Children
- Aparentemente Seguro: Hoshino、Me o Tsubutte, Senryuu Shoujo
- Em Busca de Estabilização: Rakuraku Shinwa, Rankers High, Tokyo Revengers
- Em Risco de Cancelamento: 8-gatsu Outlaw
- Duração de Curto Prazo: HiGH&LOW g-sword

Bem, caros leitores, assim se encerra a análise da edição #19 da Weekly Shonen Magazine.
Até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

onload='emoticon()'